quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Não sou tua amiga, sou tua mãe...



Educar
[...] Oferecer a alguém o necessário para que consiga desenvolver plenamente a sua personalidade. Propagar ou transmitir conhecimento (instrução) a; oferecer ensino (educação) a; instruir..[...]

De cada vez que vou a uma reunião de pais, pergunto-me qual será o futuro da humanidade nas mãos das crianças de hoje.
Partindo do princípio que as escolas não mencionam as coisas só porque sim mas porque chegaram à conclusão que não são óbvias para toda a gente, bradam aos céus alguns dos conselhos que se ouvem.

Os filhos não vêm com manual de instruções, cada caso é um caso e não tenho qualquer dúvida que vários caminhos levem a Roma. Convém é que exista, para que não reine a lei da selva, pois as crianças não se auto-educam.
Não sou sumidade na matéria, só uma mãe que retira genuíno gozo do papel e se aplica na tarefa. Haverá quem não concorde comigo, quem abrace outras teorias e práticas, o que compreendo e respeito.

Na minha opinião, há duas coisas fundamentais para o sucesso de uma educação; amor infinito e um pulso de ferro.
Não há formulas mágicas nem truques infalíveis e por muito que se possa estudar sobre o assunto, para educar temos de usar o bom senso e tocar de ouvido.
Se funcionarmos por experimentação e formos rectificando os erros, a coisa deverá correr mais ou menos bem. 
Convém no entanto que tenhamos noção que, muitas vezes, educar custa-nos bastante mais a nós do que a eles e que, façamos o que fizermos, iremos inevitavelmente falhar algures, não há pais perfeitos.

Nada me convence que as crianças não se começam a educar desde o dia em que nascem e faz-me alguma confusão o precioso tempo que perdem os pais que acham que só o podem fazer a partir de determinada idade.
A partir do momento em que começa a haver reciprocidade na comunicação verbal, então, passamos a ter mais uma preciosa ferramenta ao nosso serviço.

Uma das coisas que considero importante para que se gere uma sensação de estabilidade, são os horários e as rotinas. As crianças precisam de comer com calma e sem stress, de estudar, de tempo para a brincadeira, das suas horas de sono, etc. Se tudo isto não for devidamente organizado, facilmente as coisas descambam e não acho que as crianças digiram bem o caos.

Outra, são as regras. As sociedades em que vivemos, sejam elas quais forem, estão sempre repletas de regras. É bom que os miúdos percebam desde cedo o que isso quer dizer e aprendam a cumpri-las, a respeita-las, ou até mesmo eventualmente a quebra-las, desde que com a noção de que o estão a fazer.
Só assim se conseguirão integrar.
Haverá alguém melhor do que nós, que temos por eles um amor incondicional, com quem testarem tudo isto?!

Acredito numa educação cuidadosa e firme mas não austera e rígida.
Pessoalmente sou uma mãe brincalhona e informal e considero a cumplicidade e o companheirismo muito importantes e valiosos. Não tolero no entanto qualquer tipo de abusos, sendo bastante implacável relativamente a respostas tortas, insultos ou faltas de respeito. Quanto a este último, não só pelos mais velhos mas por qualquer ser vivo.

Se formos déspotas e prepotentes, só estaremos a mandar, não a educar. Se formos manipuláveis e permissivos, perderemos a autoridade necessária para o fazer. Como em tudo o resto, no meio é que está a virtude.
Não sou assim apologista de porque sins e porque nãos
Na minha opinião, as nossas decisões podem ser contestadas e postas em causa, sim, desde que civilizadamente e não através de birra. 
Caso seja possível devem-lhes ser explicadas e, no caso de contra-argumentarem convincentemente, revistas e eventualmente alteradas. Não tenhamos a presunção de achar que estamos sempre certos.
Da mesma forma, somos humanos, falhamos, metemos a pata na poça, somos injustos, etc… nesses casos não há nada como pedir desculpa, sinceras e humildes desculpas.

Não acredito em tabus e, as crianças tendo uma enorme curiosidade natural, acho óptimo que se sintam à vontade para nos perguntarem tudo que quiserem e que lhes respondamos sem embaraço ou preconceito.
Nem sempre é fácil adaptar as respostas à sua idade e às vezes nem sequer conseguimos arranjar uma que possam efectivamente compreender. Não vejo qualquer inconveniente em explicar-lhes isso mesmo, que são novas demais, que voltaremos eventualmente a falar sobre o assunto mais tarde.
Da mesma forma, acontece nós próprios não as sabermos, em cujo caso reconhecê-lo me parece a melhor solução, ninguém é suposto saber tudo. Todos conhecemos pessoas que, quando não sabem, inventam. Se for alguém em quem confiamos, acreditaremos, assumiremos o embuste como conhecimento. Caso o tema nos interesse e esteja ao alcance da nossa própria compreensão, é até uma excelente oportunidade para aprendermos e de seguida o transmitirmos. 

Quando são bebés temos de fazer absolutamente tudo por eles. Conforme vão crescendo, à medida das suas capacidades e respeitando o seu tempo de ser criança, acho que lhes devemos ir exigindo cada vez mais independência e colaboração.
É bom que se vão habituando lenta e suavemente a que a vida não é um mar de rosas e que nos sai do pelo. Sair tudo do nosso quando já podem participar com a sua quota-parte não me parece, nem justo, nem formativo.

Acho muito importante que estejamos disponíveis, para os ajudar sempre que possível. Ás vezes era sem dúvida mais fácil fazermos nós as coisas por eles, dava-nos menos trabalho, mexia-nos menos com os nervos. No entanto, quem precisa de aprender, de praticar, não somos nós, não devemos assim dar-lhes o peixe mas ensina-los a pescar.

Transmitir-lhes a noção de que, apesar de serem a coisa mais importante da nossa vida, não são a única, também me parece essencial. O ser humano è naturalmente egoísta e, se o deixarmos, tende a ver-se como o centro do universo. Convém cortar esse mal pela raiz desde cedo. Sacrifícios sim senhor, mas os que fazem sentido, os que cumprem algum propósito para além do “querer” da criancinha.

O que nos leva à questão das “liberdades individuais” de que tanto se fala hoje em dia. Sempre ouvi dizer que a nossa liberdade acaba onde começa a dos outros. Seres humanos em fase de formação, que ainda vêem a vida a preto e branco devem, na minha opinião, ter as escolhas reguladas pelo bom senso paternal. Quando forem adultos e independentes, logo poderão fazer o que bem entenderem, até lá, no que me diz respeito, estarão sempre em “liberdade condicional”. lol

Em tudo o que fazem acho que lhes devemos sempre exigir o máximo, não que sejam os melhores mas que dêem o seu melhor. Pouco ou nada se faz sem esforço, sem empenho, sem força de vontade. Na minha opinião todos devemos ser tão bons, em tudo o que fazemos, quanto aquilo que conseguimos ser, nem mais, nem menos.

Acho perfeitamente possível passar-lhes noções que nós próprios só descobrimos tarde na vida e tanto jeito nos teria dado interiorizar precocemente. Não são necessárias palestras, não fazem sentido grandes dissertações, eles compreendem bem melhor os exemplos práticos, as demonstrações com base em exemplos concretos do dia a dia.

Finalmente, como não podia deixar de ser, dar o exemplo é essencial. Haja coerência, se não praticarmos o que apregoamos, como iremos convence-los que lhes possa trazer algum benefício na vida?!




COM MÚSICA