quarta-feira, 17 de julho de 2019

BYE, BYE, BEN




      Conheci o Ben, há 11 anos, através da rede de antigos alunos do Liceu Francês.
   Entrou a matar… veni, vidi, vici, rapidamente se tornando um dos membros mais activos, participando em tudo quanto era evento, grupo, discussão no fórum, votações, etc… Ajudou a moldar aquilo que foi o nosso Ning. Ganhou a simpatia de uma data de gente, de várias idades. Reatou relações com ex-colegas que não via há décadas.
   Esta enorme presença deveu-se, essencialmente, à distância. Na altura em que apareceu o site, o Ben estava a viver em Luanda, sentia-se sozinho, tinha saudades de casa, para ele foi ouro sobre azul.
   Achei-lhe graça, com o seu magnifico bigode do antigamente e o seu feitio intempestivo. Tenho respeito por “pelo na venta”, gosto de pessoas com caracter, coerentes, directas. Dei-lhe trela…
   O que eu fui fazer!!! Rapidamente começou a assediar-me pelo Skype.
   Estou a brincar quanto ao assediar, tinha muito gosto em falar com ele. Às tantas, começámos a fazê-lo numa base quase diária. Parecíamos duas BFFs, a partilhar as nossas experiências do dia, a fofocar, a cortar na casaca, a queixarmo-nos da porca da vida ou a rir a bandeiras despregadas dos nossos próprios disparates. Passámos por situações absolutamente caricatas, por momentos de cumplicidade, de tristeza, de aflição, de alegria… e tudo fomos partilhando em directo, na maior parte do tempo, mas não só, graças à internet. 
   O Ben nunca foi bom a dar-se conta de quando estava a ser invasivo. Se, por acaso, por um período mais longo, eu não conseguia falar com ele, ficava amuado, fazia birrinha, punia-me com “silent treatment” durante uns tempos. Eu acho que o nosso Ben era um menino um bocadinho mimado. Ainda nos pegámos, à séria, uma vez que outra, por causa disto.
   Por outro lado, apanhei um que outro susto, quando ia para zonas de conflito armado. Dizia que ia ficar incontactável durante uns quantos dias e, ás vezes, ao fim desse tempo não dava sinais de vida. Suei umas quantas vezes.
   Ao longo destes últimos onze anos, o Ben apoiou-me, ajudou-me, divertiu-me, fez-me surpresas, mexeu-me com os nervos, enterneceu-me, ensinou-me, esteve lá… esteve lá como só um amigo com A grande está.
   Não conheci de todo o Benjamim Formigo piloto de helicóptero, herói da guerra, já estava muito para trás quando nos encontrámos. Soube de uma que outra história.
   O Benjamim Formigo jornalista conheci-o um pouco porque lhe criei e alimentei um blog, dado que era demasiado calão para querer aprender a fazê-lo ele próprio. Para quê chatear-se, se lhe bastava olhar de baixo para cima, com aqueles olhões azuis e ar de Coker Spaniel e pedir com jeitinho…
   O Benjamim ser humano, conheci-o bem. Não conheci, certamente, o mesmo Ben que outros conheceram, cada um de nós tem um eu diferente para cada relacionamento, para cada papel, mas conheci bem o meu Ben. Era um homem colérico, irrascível, indomável, mas era tudo fogo-de-vista. Sabendo dar-lhe a volta, descobríamos que era na realidade um doce. Era deixá-lo ladrar para os pneus, conscientes de ser um cão fiel e amigo. E, se alguma vez conheci alguém com uma profunda noção de amizade , foi o meu grande amigo Benjamim Formigo.
   Vai fazer-me falta. Já me está a fazer falta. Acho que vai fazer falta a uma data de gente. O mundo precisa de Benjamins Formigos, era um bom homem, com um coração do tamanho do mundo.
   Há muitos anos, em conversa da treta, fez-me prometer que, no seu funeral, poria a tocar o “My Way”. Hoje, cumpri a minha promessa, despedimo-nos dele ao som de Frank Sinatra.
   Bye, bye, blue eyes…
  

FRANK SINATRA - MY WAY
                                                                    

sábado, 6 de julho de 2019

A MINHA ARTE




   Quando, há cerca de dois anos, decidi atirar-me de cabeça, aventurando-me no mundo das artes, fartei-me de procurar o significado da palavra. Não consegui encontrar uma definição “universal” do que é a arte, só opiniões diversas. Pessoalmente não tenho opinião formada sobre o assunto, só sei que é o que quero fazer para o resto da minha vida.
   Encaro, no entanto, esta recém descoberta vocação de forma completamente diferente do que provavelmente o teria feito se a tivesse descoberto na juventude. Quando temos a vida pela frente, cheios de sonhos, de objectivos, parecemos uns touros, levamos tudo à frente. Se tivesse vinte anos, estaria provavelmente a candidatar-me a tudo quanto é concurso, a sonhar com exposições internacionais, a tentar ganhar nome no meio. Só que entretanto percebi o que, para mim, é realmente importante na vida e fama e riqueza estão longe do topo da lista.
   Como não me farto de repetir neste blog, há muito que me dei conta de que a coisa mais preciosa que temos na vida é o tempo, não só o nosso como o que partilhamos com os outros. É finito e  não sabemos quando se esgotará, pelo que o melhor é aproveita-lo bem. O meu, quero gasta-lo na companhia das pessoas de quem gosto, mantendo um ritmo de vida pouco acelerado, quero gozar a minha casa, a minha família, os meus animais, as minhas plantas.
   Se não tivermos muito cuidado, uma vocação engole-nos. Dantes, ai de quem me falasse de trabalho nos momentos de lazer. Ficava logo virada do avesso, ansiosa, desconfortável. Hoje em dia a minha cabeça não trabalha, diverte-se, só ao meu corpo pesa a actividade. Sou eu que agora me torno chata, sempre a falar dos meus projectos. 
   Trabalho muito, muito mesmo, trabalho muitas horas por dia, todos os dias. Quando não estou a “fazer” estou a criar na minha cabeça, a planear, a investigar, a estudar, a organizar, a divulgar.  Nunca antes tinha tido quaisquer problemas de sono, agora tenho agora terríveis “insónias criativas”, como lhes chamo. Dei-me conta no outro dia de que adquiri uma adicção, não sou capaz de passar um dia sem meter mãos à massa, sem fazer alguma coisa. Uma amiga tem a teoria de que é o meu equivalente de meditação.
   A realidade é que, a ideia de voltar a fazer seja o que for na vida que não seja isto, não é para mim opção. Descobri uma parte do meu ser que desconhecia e que não quero voltar a perder. Hei-de fazer tudo o que estiver ao meu alcance, apostar tudo o que tiver para apostar, para levar a água ao meu moinho, para conseguir um dia viver da minha arte, humildemente, sem luxos, holofotes ou manias das grandezas.
   Apesar de ainda ter muito para aprender, aliás, na minha opinião, devemos aprender até morrer, dei agora nitidamente um salto na direcção de uma identidade como artista. De todas as técnicas que utilizo, a feltragem molhada é, sem qualquer sombra de dúvida, a minha preferida. Ultimamente, não tenho praticamente feito outra coisa. Estou, neste momento, a preparar a minha próxima exposição, que será no final de Setembro. Partilharei detalhes mais tarde, dado que ainda estou em combinações com a galeria. Irá chamar-se “Lã & Luz” e será uma colecção de peças iluminadas. Não sei se será um resquício dos meus tempos da fotografa ou uma inspiração do que me vai na alma, no coração, sinto-me iluminada por dentro, com um quentinho bom como o da lã…
   Se não conhece ainda o meu trabalho, pode passar a conhecê-lo no meu site, onde encontrará também links para as redes sociais. Gostos e partilhas são muito bem vindos. ;) Quer já esteja familiarizado com ele ou não, sugiro que venha ver as minhas peças ao vivo, pois faz toda a diferença.
   Dedico este post a todos aqueles que possam ainda estar à procura do seu chamamento. Sejam pacientes, nunca é tarde e sabe bem em qualquer altura. ;)


  
  

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Doze velinhas...




Um ano, três posts... que vergonha. :(
Não foi por falta de ideias ou vontade de escrever, simplesmente não arranjei tempo nem disponibilidade mental.
2018 não foi, decididamente, dos anos mais fáceis da minha vida... 
O lado bom, maravilhoso,  foi a minha arte, que tão realizada me faz sentir. :)))
Um ror das mais diversas dificuldades, problemas, tristezas, inquietações... ia, literalmente, dando cabo de mim. Acabei o ano num estado absolutamente deplorável. Como me é característico, fui aguentando valentemente  enquanto o meu cérebro, lenta mas seguramente, ia destruindo o meu corpo.
No more! Estou farta... 
Ninguém disse que a vida era fácil. Enfrento-a com coragem e sem nunca baixar os braços. Agora chegou o momento de confiar, de ter realmente fé, em como tudo se resolve. 
Entretanto, quero viver em paz, porque nunca sabemos se há amanhã, a vida é hoje.
É para isso que vou trabalhar em 2019. 
Irei dando notícias... ;)

Parabéns Sopa!




 COM MÚSICA


domingo, 14 de outubro de 2018

BAs






   Todos os Sábados o meu pai passava no “Dimas” a comprar o seu tabaquinho, umas quantas revistas e tudo o que tivesse saído desde a semana anterior de “Tio Patinhas”, não só para nós mas porque ele próprio era leitor compulsivo dos “patos”, como lhes chamava.
(as saudades que me atacaram agora… )
   Algumas das histórias eram sobre as aventuras do Huguinho, do Zezinho e do Luisinho, sobrinhos do Donald, nos escuteiros Mirins.  Estas, giravam recorrentemente  à volta da BA (boa acção) do dia. Acho que acabei de me dar conta (Dahaaaaaa!) que aqueles livros tinham mais profundidade do que a que eu lhes atribuía na altura. Bem, uns aprendem estas coisas no catecismo, eu aprendi nos livros aos quadradinhos... lol
   Dito isto, há já uns anos que me esforço, activa e conscientemente, por pôr em prática este “conceito”. Por BA, para que não haja dúvidas, entenda-se qualquer acto altruísta,  sem esperarmos nada em troca. Todos o fazemos espontaneamente de vez em quando, suponho eu.
   A questão é que a vida anda difícil para todos nós. Pode ser que esteja redondamente enganada, mas a sensação que tenho é de que estes possam ser (internamente, para cada individuo) os tempos mais complicados que se viveram nas últimas dezenas, senão mesmo centenas de anos. Não tenho memória de sentir este desconforto, esta ansiedade no ar, quando era pequena. Julgo que as pessoas, no geral, viviam a vida mais descontraidamente.
   O tempo parece ter sido uma das maiores perdas na evolução humana, ninguém tem tempo para nada, andamos todos sempre a correr. Com as novas tecnologias de comunicação, somos requisitados por N vias, N vezes por dia, o tempo de resposta esperado sendo sempre “já”. Novos e velhos debatem-se com problemas financeiros, crises de identidade, num mundo cada vez mais fundamentalista em tantos aspectos, enfim…  
   Costuma dizer-se que “de boas intenções está o inferno cheio”… acredito que ainda haja neste mundo muita gente cheia delas, constato no entanto que, na maioria dos casos, não chegam a passar disso. Infelizmente, não é difícil compreender porquê; andamos tão focados a tratar das nossas próprias vidas, que muitas vezes nos esquecemos de levantar os olhos do nosso umbigo.
   Não vou, no entanto, sequer abordar a questão de que o mundo seria muito melhor se fossemos todos “uns para os outros”. Parece-me tão óbvio que até dói.
   Não, o que venho partilhar hoje convosco, e que não posso demonstrar, não consigo provar, nem sequer me vou dar ao trabalho de tentar, é que a vida nos corre muito melhor se regularmente praticarmos BAs. Sei que para alguns isto é uma evidência, tão básica que nem precisava de ser referida, e que outros são muito mais cépticos em aceitar uma relação de  causa e efeito.  Enquadro-me, obviamente, na primeira categoria.
   A boa acção não precisa de ser a doação de um rim e a melhoria de vida não será provavelmente o Euromilhões… embora qualquer uma das coisas seja possível. Não, podem ser actos muito mais insignificantes e as consequências muito mais subtis.
    Oferecer um sorriso e retribuir os bons dias à senhora que nos atende algures,  olhando-a nos olhos é, infelizmente, hoje em dia uma boa acção. Vá-se lá entender porquê, a cortesia parece ter passado de moda, mas continua a saber bem. Ligar para saber de amigos ou familiares com quem não falamos há algum tempo, dispensar-lhes alguns minutos e dois dedos de conversa, também já não acontece frequentemente.   O céu é o limite… pequenos gestos, grandes ajudas… maior ou menor sacrifício pessoal… as boas acções vêm em todas as cores e tamanhos.
   O problema é que, se não nos obrigarmos a “ser” assim, a ter este hábito, tal como quem se obriga a fazer ginástica ou a lavar os dentes, o mais provável é que nos baldemos… não por mal, não por falta de intenção, mas a vida mete-se pelo meio, o tempo vai parar não sabemos onde, e quando damos por nós percebemos que não temos feito nada pelos outros.
   Acredito do fundo do coração que, tal como na tabuleta do café acima, a vida nos saia um bocadinho “mais barata” se oferecermos regularmente um bocadinho de nós ao próximo.

terça-feira, 10 de abril de 2018

História de um processo criativo



Várias pessoas me têm perguntado como é que  “funciono”, como me vêm as ideias, se sei há partida o que quero fazer, se as coisas saem sempre como as imaginei, etc… para esses, decidi escrever este post. ;)
Para a minha exposição, decidi fazer um quadro onde constassem todas as técnicas que utilizo. Como poderão imaginar, não é fácil…
Nota: Isto sendo uma história, se saltarem já para o fim do post, para verem o dito cujo, é como se fossem ler o fim do livro… tsss tsss
Comecei por pensar no macramé, talvez o mais difícil de misturar com tudo o resto, e vieram-me imediatamente à cabeça cortinas vermelhas. Confesso que foi no mínimo estranho, dado não apreciar grandemente o macramé colorido, preferindo-o sempre naquele branco sujo clássico. Atribuo-o assim a uma qualquer inspiração divina. lol
Cortinas vermelhas, cortinas vermelhas… Teatro!!! Teatro, de caras… uma boca de cena… um palco de madeira tosca… um cenário naif qualquer ao fundo, uma(s) figura(s) em primeiro plano…  Teatro, que fez tão intensamente parte do fim da minha adolescência, o ambiente dos camarins, o público a chegar, o trac antes do espectáculo… sim, que mesmo só tendo feito parte da equipa dos cenários e guarda roupa, também sentia trac antes da estreia… Está decidido, vai ser uma boca de cena!
Notem que esta decisão demorou várias semanas, muitas noites passei sem conseguir adormecer, a matutar sobre o assunto…
Já tinha decidido o tamanho do quadro, 50x40, antes de saber o que lá iria montar, pelo que meti logo mãos à obra sem fazer, nesse momento, a mais pequena ideia do que iria representar no palco, logo se veria.
Comecei então com um crochézinho para a cortina superior, achei que iria lindamente com o macramé nas laterais. Fiz assim uma tira rectangular.


Apesar de lhe ter feito umas ondas em baixo, achei que estava pobre… Queria um teatro majestoso... Pronto, estava definido o rumo, estava criado o ambiente, podia começar, enquanto ia adiantando serviço, a pensar no que lá iria pôr. Para embelezar a cortina superior, decidi assim fazer-lhe umas franjas e um cordão em frioleira… Cortei centenas de bocadinhos de fio para fazer as micro-franjas.



Depois, foi preciso coloca-las, uma a uma, para não dar um aspecto tosco, cerca de 6 a 8 fios em cada buraco da agulha. Nesta altura andava com o trabalho para todo o lado. Aqui estou eu na lavandaria… lol





A seguir fiz o cordão. A frioleira, em Portugal, faz-se tradicionalmente com uma navete. Nunca consegui utilizar aquele utensílio do demo. Tive ataques de raiva quando me tentaram ensinar, só me apetecia pegar na tesoura e cortar aquilo tudo… Só que gostava do efeito, pelo que fui pesquisar na Net se não haveria alguma forma de o simular. Então não é que também se faz frioleira com agulha?! Mandei logo vir umas quantas do eBay.



Depois de acabado o cordão foi cose-lo à parte de baixo da cortina, o que não só a embelezava mas também servia para tapar a base das franjas.



Para acabar, cortei as franjas.



Preparei então os “cabos” (lol) para o macramé. Como não sou, nem pouco mais ou menos, experiente nesta técnica, liguei à minha professora (hehe), a perguntar de que tamanho os cortar. Expliquei-lhe os nós que estava a pensar utilizar e ela disse-me a multiplicação. Depois perguntou de que tamanho era o projecto. Notem que estive a trabalhar para ela há uns tempos, na execução de peças para uma feira, que tinham seis metros de altura…  Quarenta centímetros, respondi. Nunca fiz nada tão grande, brincou ela. ;)




Só nesta altura me ocorreu um probleminha técnico; como que raio ia eu prender isto tudo à tela sem se ver?! Decidi assim cozer velcro à parte de cima da tela e ao crochet, o que iria também tapar a fixação das laterais em macramé.



Depois fiz mais uns cordões de frioleira e umas borlas, para prender as cortinas.



Neste ponto do campeonato já tinha uma ideia de como prosseguir. Primeiro pensei numa Columbina, com uma saia de balão, aos losangos de cores retro… Mas queria à força utilizar todas as técnicas e estava a faltar-me a tecelagem, que queria redonda. Pensei numa foca com uma bola mas cheirava-me demasiado a circo e eu detesto circo. Tive então a segunda inspiração divina… lol… Um alvo de atirador de facas. Veio-me à cabeça, por associação de ideias, quando estava a ver um filme sobre mágicos. Esqueci-me de tirar fotografias a todo este processo, às vezes acontece, quando me entusiasmo a trabalhar, depois fico furiosa porque me falta a documentação de parte do processo.  O resultado foi este.



Até aqui tinha sido trabalhoso, agora começava a ser difícil… A menina, como que raio vou eu fazer a menina...? O processo escolhido foi a feltragem com agulha, o mais versátil para este tipo de coisas. Mas como que raio se faz uma forma humana?! Lá fui eu à Net ver imagens de meninas várias... Na feltragem com agulha, tal como na pintura, começa-se com um “esboço” rápido e parte-se depois para o detalhe. Decidi meter mãos à obra sem a mais pequena noção de se ia conseguir produzir algo que se assemelhasse remotamente a um ser humano.






Nesta altura já lhe tinha espetado com a cabeça, que feltrei à parte. A rapariga mais parecia uma aranha com falta de patas… Ainda inspirada pelo filme de mágicos, serrei-a ao meio para lhe acrescentar o tronco.



                Fiz os pezinhos e as mãozinhas, juntei-os ao corpo e dei forma ao conjunto.




A menina estava nitidamente indecente, pelo que lhe tricotei um vestidinho.





Parecia a Sinead o'Connor, coitadinha. Bolas, o cabelo, a mulher precisa de cabelo, como é que não me lembrei antes?! Como que raio lhe vou eu fazer um capachinho? Fiz outra cabeça, para testes, e espetei-lhe com uns fios. Ficou horrível!!! (também me esqueci de fotografar…) Decidi assim pôr lã cardada, mais uma experiência falhada, parecia uma bruxa…  Surge  então outra ideia iluminada; se entrançar a lã, já fica com um ar arranjadinho. É isso, vai ser uma índia.







E pimba, com isto está definido o cenário. É um número de saloon, é só chutar-lhe com umas nuvens e um cacto. Ataquei-me então à feltragem molhada, que consiste em espalhar várias camadas de lã cardada, muito fininha, como base.



Depois faz-se o desenho com as cores por cima, fica assim com um ar esborratado.



A seguir tapa-se com uma rede, molha-se com água com sabão, e acaricia-se e esfrega-se com jeitinho, durante uma hora e tal, duas horas.



Depois enrola-se num rolo de piscina (há variantes) e fazem-se quatro sessões de meia hora a rola-lo para trás e para a frente, mudando de direcção entre cada uma. Passa-se por água quente, por água fria com vinagre, para cortar o sabão, espreme-se bem numa toalha... tudo isto sem fotos… ups...  e deixa-se secar.



Depois disto  estava pronto, era “só” montar, cozer tudo à tela.





Ups, faltam as facas… fazem-se umas com palitos pintados de preto, cartolina e papel de alumínio…




Depois de pronto, o quadro só me fazia pensar no Ritz Club, no Ritz Club da minha adolescência, antes de ser comprado pelo Vitorino e pelo Janita, nem sei se ainda existe. Muito gostava eu daquela grandeza decadente, do ambiente um bocado bas fond, da stripper velha e gorda, do malabarista que deixava cair os pratos, do galã com pinta de Rudolfo Valentino que cantava mal… nunca lá vi um atirador de facas, mas pode ter havido… Nomeei assim o  quadro, em homenagem.



Apresento-vos o RITZ CLUB



 Técnicas utilizadas:
  • Macramé
  • Crochet
  • Tricot
  • Tecelagem
  • Frioleira
  • Feltragem com agulha
  • Feltragem molhada












terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Mais vale tarde...



   Hoje este blogue faz 11 anos, yééé, parabéns Sopa! ;)
   Amanhã faço eu 53 e, tal como o pato da canção, também venho cantando alegremente, quá,quá... ;)
   Se olhasse friamente para a minha vida actual, encontraria mais razões para chorar do que para cantar... mas estou apaixonada, e a paixão é cega. Ultrapassado o meio século descobri a minha verdadeira vocação e ando completamente de cabeça perdida.
   Acabei o liceu sem a mais pequena ideia do que queria ser, agora que já era grande. Fui para fotografia, mas rapidamente me dei conta da minha mediocridade nessa area. Segui então para design de moda, esquecendo-me de um pequeno detalhe; não sei desenhar. Assim, ao fim de cerca de sete anos de estudos, tinha regressado ao ponto de partida; que raio vou eu fazer com a minha vida?!
   A partir daí improvisei, atirando-me literalmente a tudo – não vos passa pela cabeça a secaaa de trabalhos que tive de fazer ao longo da vida - o que me permitisse ir mantendo a cabeça fora da água. Com autodidatismo, movi-me por várias áreas, chegando a dominar várias delas com bastante competência. Colaborei também em vários projectos com outras pessoas, abracei alguns sozinha, tive ideias, tive sonhos, tive esperança, tentei, dei o litro, falhei.
                                                     

      A realidade é que, mal ou bem (geralmente mal…lol), fui conseguindo ganhar o suficiente para viver. Mas uma coisa nunca tinha retirado do meu trabalho até hoje; genuíno prazer!
   A idade é uma coisa curiosa, vamos perdendo em termos físicos, mas ganhando em termos intelectuais e emocionais. Não gostaria de voltar à adolescência nem que me pagassem. A não ser a saber o que sei hoje, claro, isso é que era…    Dito isto, ali à roda do meio século - provavelmente não exactamente no dia dos meus anos, estilo bactéria do iogurte que, como toda a gente sabe, ataca à meia noite do dia do fim do prazo de validade - mas mais ano, menos ano, entrei numa crisezinha existencial. Às tantas dei por mim a perguntar-me se realmente iria passar o resto da vida a trabalhar para aquecer (quase em sentido próprio… lol).
   A decisão de escrever o livro foi já um sintoma disto. Nunca tive, no entanto, grandes ilusões – e agora que conheço um bocadinho melhor o meio livreiro não tenho nenhumas mesmo – de vir a fazer algum dinheiro que se visse com ele. Só alguns eleitos se safam financeiramente partilhando as suas palavras. Dediquei-me assim a ele mais para fazer o gostinho ao dente do que na esperança de algum dia vir a conseguir viver da escrita.
   Para além desta, a que desde de miúda me entrego, o meu outro grande prazer, descoberto já bastante mais tarde, são as manualidades. Não aprendi a fazer tricot e crochet em menina, ensinada pela mãe a avó ou a tia, fui aprendendo sozinha, na net, já muito depois de atingida a idade adulta.
   Costuma dizer-se que “a necessidade faz o engenho” e é bem verdade. Debatendo-me há anos com enormes dificuldades financeiras, em que comprar, seja o que for, não é propriamente opção, não me deixei atrapalhar e, o que não consigo comprar, faço-o eu. E foi assim que tudo começou, obrigada crise, que fizeste desabrochar a engenhocas que há em mim. Fiz, luvas, vestidos, camisolas, casacos, meias, remendos para cobrir os buracos nos ténis, malas, candeeiros, vide poches, tampas de açucareiro, armários, hortas, e sei lá mais o quê…
   Nesta luta para pôr comida à mesa, lembrei-me então de fazer coisas para vender. Um dia chegou uma amiga cá a casa, entusiasmadíssima, a dizer que tinha visto um colete em crochet giríssimo, na Zara. Mostrou-me a foto e perguntou se não queria fazer-lhe um igual, que preferia dar-me o dinheiro a mim do que a eles. O dito cujo estava à venda por 20 ou  30 euros, eu demoraria, no mínimo, uma semana a fazê-lo. Dei-me assim conta de que por esse trilho não iria a lado nenhum. Com tanta coisa gira à venda nas lojas, por meia dúzia de tostões, o artesanato não é, infelizmente, valorizado hoje em dia. Fiquei assim  com um montão de prendas giríssimas em casa. lolololol
   Por entre os afazeres de quem não tem dinheiro para gastar mas tempo tem de sobra, decidi cobrir de crochet e frioleira endurecidos umas bolas de bilhar antigas, que andavam aqui por casa.


    Foi então que tive uma epifania; ia dedicar-me à Arte Têxtil!
   Isto passou-se antes do último verão e estive até Setembro a produzir freneticamente, em segredo total. Para além da parte manual propriamente dita, passei horas e horas à frente do computador a estudar como se faz isto ou aquilo. Santo YouTube!!! Quando não existia (ou era demasiado cara) a “ferramenta” para fazer o que eu queria, inventava-a e construia-a eu. Assim, improvisei um tear com a estrutura de uma tela, fiz lançadeiras, um utensílio para malha circular em Fimo e inventei um tear circular utilizando um bastidor e molas de escritório. Deste estou mesmo muito orgulhosa porque foi uma ideia de génio – modéstia à parte, lol – que tem sido incrivelmente gabada por quem entende do oficio.


    Até que me ocorreu que talvez não fosse má ideia perguntar às pessoas o que achavam pois, se o meu trabalho não tivesse aceitação, talvez mais valesse dedicar-me à pesca…
   Muito insegura e receosa das reacções, fui mostrando as minhas obras a alguns eleitos por entre as minhas relações próximas. Todos afirmaram gostar muito, mas apesar de tudo eram suspeitos, quem gosta de nós tende a dar-nos palmadinhas nas costas, mesmo que sejam palmadinhas piedosas.
   Resolvi então criar a página do Facebook, para testar com malta teoricamente mais isenta. Comecei logo a receber elogios incríveis, mais, e mais entusiásticos, confesso, do que estava à espera.
   Passei também a utilizar a conta do Instagram, que tinha aberto quando este apareceu, mas onde nunca mais tinha voltado a pôr os pés. Os seguidores têm vindo a crescer de dia para dia, entre os quais alguns que são, para mim, verdadeiros “monstros sagrados” deste tipo de artes. Imaginem como se sentiriam se fossem pintores, por exemplo, e recebessem notificações a dizer “Picasso começou a seguir-te”, “Salvador Dali fez-te um gosto”… (e se tivermos em conta que ambos estão mortos, então, seria mesmo do além… lololol) O meu coração disparou.
   A partir daí foi a lócura. As coisas começaram a desenvolver-se a uma velocidade verdadeiramente alucinante. Recebi encomendas, vendi quadros, fui convidada para expor numa feira, candidatei-me a um concurso internacional de Arte Têxtil, fui mencionada num blog,  estou a preparar workshops e fui convidada por uma galeria para fazer uma exposição individual em Abril.


    É tão, tão, tão, verdade, que até parece um sino!!! Neste momento trabalho 7 dias por semana, dia e noite. Noite?! Sim, trabalho durante o sono, resolvo questões técnicas, tenho ideias luminosas, acordo a meio da noite e tomo notas. Levo o trabalho para todo o lado - olhem aí a sorte de não fazer pintura a óleo ou esculturas em pedra, hehe – feltro na lavandaria, teço nos consultórios, tricoto no carro enquanto espero por alguma coisa. Ando exausta, toda partida, tive tendinites, contraturas musculares, dores nas costas, vista cansada... Se quiserem ter uma pequena noção do trabalhão que tudo isto dá, vejam alguns dos “Making Of” no separador “fotos” da minha página do Facebook.
   Como lá digo; “tenho o cérebro a mil e as mãos inquietas”! Tudo isto, movida pela tal paixão que me faz minimizar todos os problemas e na esperança de nunca mais ter de voltar a trabalhar com sacrifício, de não ter de voltar às “coisas chatas” como diz uma amiga minha, porque, depois de ter experimentado esta sensação, ia ser imensamente duro.
   Se julgam, no entanto, que está a ser fácil, que tudo são rosas, desenganem-se. Para além de uma série de outros problemas que nos assombram a vida, neste momento o agregado familiar está basicamente sem rendimento, estamos a viver da ajuda dos nossos pais e de um pé-de-meia que felizmente temos. Mas não julguem que é uma meia daquelas gigantes que se põem ao pé da lareira no Natal. Não, é uma meiazinha pequenina que, de mês para mês, se vai desfiando até que, mais dia, menos dia, não vai sobrar nada.
   Manter-me neste rumo requer de mim uma coragem que não pensei ter, acreditem. Quantas vezes não me passou já pela cabeça desistir e ir trabalhar para uma caixa de supermercado (forma de expressão, sem qualquer intenção depreciativa para quem cumpre essa função) para ter um mínimo de segurança, para poder contar com um dinheirinho fixo ao fim do mês. Para além disso, apostar tudo por tudo nesta minha nova actividade, implica não só não procurar outro tipo de trabalho como, inclusivamente, não o aceitar se me vier bater à porta. O dia só tem 24 horas, não consigo dar uma no cravo e outra na ferradura.
   A parte mais maravilhosa de tudo isto é que, mais uma vez se prova, não somos nada uns sem os outros. Acreditem, pois é a mais pura verdade, que sem todo o apoio que tenho recebido já teria desistido há muito tempo. Não fazem ideia da quantidade de vezes que já fraquejei, dos ataques de ansiedade que me assomam regularmente, da insegurança que antecede a apresentação pública de cada peça… aos outros, a todos aqueles que me têm apoiado, alguns com uma tenacidade férrea, uma presença constante, devo o facto de me manter na perseguição deste sonho.
   Parece-me assim da máxima importância nomeá-los, reconhecer-lhes o valor, atribuir-lhes a importância vital que têm neste momento para mim. Compreendi finalmente aquela lista interminável de nomes que eles leem na entrega dos Oscares, e dou graças por não me poderem mandar calar com a musiqueta. ;)



   Quero assim agradecer, antes do mais, aos da casa, evidentemente. Ao meu filhote e cara-metade, pela paciência para me aturarem nesta fase em que ando meio alucinada. Pelos “já vou, dá-me só mais cinco minutos” que acabam sistematicamente por se transformar em horas, pelas refeições tardias e às vezes já meio queimadas, pelas frequentes secas que levam no carro quando vou comprar materiais. Ao Zé, especificamente, pelos pequenos favores que lhe estou sempre a pedir, pela ajuda extra nas tarefas caseiras, por aguentar as pontas quando é necessário.

   Depois, à minha família, começando pela minha mãe, que gaba o meu trabalho a toda a gente nitidamente a rebentar de orgulho. Sempre pronta a ajudar no que pode, quer física quer financeiramente, que me passa roupa a ferro para me libertar o tempo e me compra reconstituintes quando estou a cair par o lado de cansaço.
   Aos meus irmãos, meus fãs incondicionais, que não se cansam de me gabar o talento e de dizer que acreditam  que foi desta que acertei de vez.
   A uma das minhas tias que, de cada vez que fala comigo, seja por que razão for, aproveita sempre para me dar os parabéns pelo meu trabalho, que segue de perto, e acreditem que esta não é público fácil, é do mais exigente que há.

   Aos que se deram ao trabalho de me telefonar ou enviar mensagens pessoais de incentivo, tentando incutir-me confiança, tecendo elogios que me puseram a lagrima ao canto do olho.

   Aos que me compraram ou encomendaram peças, com especial relevo para uma que diariamente me apoia, manda força quando sente que me estou a ir abaixo, gaba e divulga regularmente as minhas obras.

   À Diana, por me ter contratado para a ajudar num projecto da Oficina 166, proporcionando-me uma bolhinha de ar financeira a fazer aquilo que gosto durante o mês de Novembro e por agora me ter convidado a lá fazer workshops. Já sem falar da sorte que tive em conhecer uma pessoa extraordinária como ela.

   Á Sofia, pelo magnífico elogio no Passei e Gostei, que me fez sentir que o ano começava em beleza. Bem hajas, Sofia!

   Às MAO, genericamente, o grupo mais incrível e dinâmico ao qual já me adicionaram no Facebook (obrigada, Madalena), pelos tão importantes Likes à página e às peças, e mais especificamente a todas aquelas que se deram, para além disso, ao trabalho de me enviar mensagens privadas.

   À Isabel pela oportunidade de fazer uma mini-reportagem sobre o meu trabalho para o De outra maneira.

   À Clara, por me ter convidado a expor na Galeria 36. Bolas, estou a rebentar de contente!

   E estou agora para aqui a tremer, perguntando-me se terei deixado algum agradecimento importante de fora… Enfim, agradeço a todos os que de alguma forma, por alguma via, me têm apoiado e ajudado. Podem ter a certeza absoluta que, se alguma vez for alguém, a vocês o devo, sem a mais pequena sombra de dúvida. Bem hajam!!!

   Amanhã faço 53 anos e, de certa forma, tenho a sensação de estar agora a começar a minha vida… sensação estranhamente empolgante, confesso.    





COM MÚSICA